Internacional

Óbitos não notificados atrasam combate a Covid na África

Agentes da Cruz Vermelha levam corpo de vítima da violência na cidade de Bunia, República Democrática do Congo (Foto: UN Photo)

Um fator cultural mina a formulação de políticas públicas e o combate a doenças – incluindo a Covid-19 – na África. São raras as famílias que notificam óbitos e a maior parte das mortes nunca é registrada formalmente.

Um levantamento do “The New York Times” aponta que todos os 54 países africanos registraram, juntos, menos mortes de Covid-19 do que toda a França, hoje com pouco mais de 65 mil óbitos pela doença.

A lacuna é visível na Divisão de Estatísticas da ONU (Organização das Nações Unidas), responsável pela coleta de dados de mortalidade em todo o mundo.

Enquanto a Europa, Américas e Oceania registram 90% de suas mortes, a cobertura da Ásia é irregular e a da África, defasada; a maioria dos países sequer apresenta dados.

Apesar de ter sido menos afetado pela pandemia em comparação com outras regiões do mundo, o continente africano tende a contabilizar um número muito inferior do que o real. Um exemplo é a capital do Sudão, Cartum.

Sem um sistema de registro de óbitos, as autoridades da África tentam contabilizar os casos e as mortes por Covid-19 via uma pesquisa online distribuída pelo Facebook.

No formulário, os sudaneses devem responder se tiveram sintomas e se fizeram um teste, além de relatar mortes na família com ou sem diagnóstico preciso do coronavírus.

Apesar da metodologia, o cálculo é que a pandemia matou 16 mil pessoas na cidade – um número muito maior que as 477 mortes confirmadas até o início de novembro.

Pesquisas por túmulos

O fator cultural atrapalha, afirma o demógrafo norte-ameircano Stéphane Helleringer. “Muitas vezes as famílias não sabem que devem relatar as mortes ou, mesmo que o façam, há pouco incentivo para fazê-lo”, disse.

É comum que famílias enterrem seus entes queridos nos quintais das casas, onde não precisam de atestados. Na Nigéria, por exemplo, o país mais populoso da África, há registro de apenas 10% dos óbitos em 2017.

Em países mais pobres, como o Níger, a porcentagem é ainda menor. Assim, as autoridades tentam contabilizar as taxas de mortalidade com outros métodos. É comum que agentes realizem pesquisas periódicas para questionar quem morreu na família e quais foram as causas.

Irregulares, os questionários estão longe de serem informatizados e há uma grande margem para erros. Outro método envolve ligações com telefones celulares e até a contagem de túmulos em imagens de satélite e entrevistas a coveiros.

Clique aqui para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Most Popular

Topo