Paraná

Respondendo por vários crimes enquanto ocupava o cargo de governador do Paraná,  Beto Richa se articula para disputar a eleição de deputado federal

Imagem CNTE

No período em que antecede um pleito eleitoral tudo pode acontecer, um réu poderá estar na disputa. Apostando que a memória do povo do Paraná é curta, o ex-governador Beto Richa (PSDB) vem se movimentando, nos bastidores, para colocar o seu nome em evidencia e tentar conquistar uma cadeira no congresso nacional, como deputado.

A frente da máquina pública teve o seu nome manchado por denúncias de corrupção. Na eleição de 2018, tentou a eleição para o senado e amargou uma derrota significativa; ficou em sexto lugar, com menos de 4% dos votos válidos. Na época, não se manifestou e sofreu os resultados da eleição. Desde 2001, Beto Richa não perdia uma eleição e vinha ocupando cargo eletivos, uma carreira meteórica e de sucesso no Paraná.

A campanha de Richa afundou após ele ter sido preso – em 11 de setembro – em decorrência da Operação Rádio Patrulha, que apurava um esquema de corrupção em um programa de pavimentação de estradas rurais. O ex-governador foi solto cinco dias depois, após o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), ter lhe concedido um salvo conduto. Imagina Beto Richa senador. Seria uma vergonha para o Paraná.

Como governador, entre outubro de 2018 a novembro de 2019, Beto Richa se tornou réu em oito ações penais, nas esferas estadual e na federal. Na época, ele foi citado como réu, na Operação Rádio Patrulha, Operação Integração, Operação Piloto e Operação Quadro Negro.

Com os procedimentos jurídicos, Beto Richa perdeu uma eleição para o senado e desde então se mantem afastado da vida pública. A última notícia sobre o ex-governador, é que pretende disputar uma das vagas de deputado federal.

Será que os paranaenses vão se esquecer dos atos criminosos que marcaram a gestão de Beto Richa e vão lhe dar um mandato para se esquivar de responder pelos atos de corrupção a frente do governo do Paraná? Como estão as ações em que Beto Richa figura como réu?

Acompanhe

 

A ação penal tramita na 13° Vara Criminal de Curitiba, da Justiça Estadual (Denúncia recebida em outubro de 2018 pelos crimes de corrupção passiva e fraude à licitação).

Quatro ações penais tramitam na 9° Vara Criminal de Curitiba, da Justiça Estadual. O ex-governador responde pelos crimes de organização criminosa, corrupção passiva e prorrogação indevida de contrato de licitação; em abril de 2019 passou a responder também pelos crimes de corrupção passiva e de dar causa à vantagem indevida na execução de contrato de licitação; em novembro de 2019 passa a responder pelos crimes de lavagem de dinheiro e obstrução de justiça.

Duas ações penais que visam a condenação do ex-governador Beto Richa tramitam na 23º Vara Criminal de Curitiba, na Justiça Federal. Ele responde pelos crimes de corrupção passiva e organização criminosa; e em fevereiro de 2019 passou a responder pelo crime de lavagem de dinheiro.

Uma ação penal tramita na 23ª Vara Criminal de Curitiba, da Justiça Federal. O procedimento jurídico é referente a denúncia do Ministério Público Federal recebida em junho de 2019 pelos crimes de corrupção passiva e ativa, fraude licitatória e lavagem de dinheiro.

 

 

Respondendo por vários crimes enquanto ocupava o cargo de governador do Paraná,  Beto Richa se articula para disputar a eleição de deputado federal
Clique aqui para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Most Popular

Topo