Educação

Instituto de Educação de Maringá: vai ter nova eleição para a escolha de diretor no final do ano

A eleição do Instituto de Educação de Maringá, foi um verdadeiro batismo de fogo, para a chefe do Núcleo Regional de Educação. Desde o dia 20 de fevereiro desse ano, a atual chefe do Núcleo Regional de Educação de Maringá, Isabel Cristina Domingos Lopes, vem administrando com competência os assuntos ligados a educação em Maringá.  Antes  ocupou o cargo de diretora numa escola estadual em Mandaguari e já lidava com problemas conflitantes. Quando surge um princípio de confusão, procura sempre ouvir os dois lados para não ser injusta. Recentemente, ela enfrentou a primeira prova de fogo no novo cargo.

Com o pleito eleitoral, que aconteceu esse ano, para a escolha da nova direção de um dos maiores  colégios de Maringá e região, a eleição teve que acontecer por duas etapas e, em nenhuma das duas, atingiu o quórum exigido: 51% dos votos.

Com a confusão instalada e sem um diretor, que deveria assumir, no início do ano, a instituição educacional, Isabel Cristina Domingos Lopes (foto) agiu com sabedoria e optou em deixar a poeira baixar para tomar uma decisão, a pressão era grande para que uma das chapas fosse declarada vencedora. A chapa 1, que foi derrotada contava que seria nomeada, sem ter feito a maioria dos votos.

Por conta disso, o Instituto de Educação de Maringá ainda não tem uma diretoria eleita. O Núcleo Regional de Educação, fez a opção por uma nova eleição e que deve acontecer entre novembro e dezembro.

Até acontecer o novo pleito, foi nomeada uma servidora do estado, que trabalhava no Núcleo Regional de Educação de Maringá, na função de Tutora. Ela  está à frente da instituição de ensino, com a finalidade de administrar a escola durante o período em que o cargo de diretor se encontra vago. A chefe tambem chamou um integrante de cada chapa para compor a diretoria provisória, até o dia em que vai acontecer a eleição da nova diretoria da instituição.

A tutora que assumiu o Instituto de Educação de Maringá, tem a missão de organizar os trabalhos do diretor e coordenar a parte pedagógica e cuidar da implantação do grêmio estudantil, Associação dos Pais e Mestre e Funcionários, que tem a finalidade de trabalhar em conjunto para o andamento das atividades no colégio.

A chefe do Núcleo Regional de Educação, Isabel Cristina Domingo Lopes, foi categórica em afirmar que, “a tutora que assumiu não é candidata ao cargo de direção e após o pleito, ela volta para a função do Núcleo Regional de Educação de Maringá.”

Quanto ao ex-diretor que concorria ao cargo na chapa 1, Carlos Fernandes Castilho Júnior, que havia assumido o Instituto de Educação, num mandato tampão, devido a diretora que havia saído vencedora nas urnas ter abandonado o cargo, foi chamado de volta ao Núcleo Regional de Educação, onde está dando expediente, portanto está fora da disputa do cargo de diretor do Instituto de Educação.

O erro do então diretor, segundo informação, que tinha a intenção de permanecer no cargo por mais dois anos,  prevendo não ter chance de vitória, trabalhou para que a eleição não  atingisse o quórum e a nomeação fosse política, onde ele seria o escolhido.

A chefe do Núcleo Regional de Educação, Isabel Cristina Domingos Lopes, garantiu que a classe política ficou de fora e que a eleição de uma instituição de ensino é fora do contexto, é uma eleição diferente da política partidária sem o envolvimento de vereadores, prefeitos e deputados.

Instituto de Educação de Maringá: vai ter nova eleição para a escolha de diretor no final do ano
Clique aqui para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais acessadas

Topo