Paraná

Governador do Paraná se recusa dar aumento para os professores no próximo ano

Brasil de Fato

O governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) quando deputado estadual, dizia aos quatros cantos do Paraná, que detinha o conhecimento, que a maioria dos funcionários públicos do Paraná passava por necessidade, devido ao arrocho salarial imposta pela política adotada pelo seu antecessor, Beto Richa, o perseguidor e espancador de professores.

Graças a militância dos funcionários públicos do Paraná e dos professores do Processo Seletivo Simplificado, que sonhavam que, com  a troca de comando do governo do Paraná,  teriam concurso publico para se  efetivarem nos quadros próprios do magistério.

Após a posse, Carlos Massa Ratinho Junior, mudou o discurso e assumiu a pratica do seu antecessor e não deu nem a  reposição salarial prometida, após a greve de 2019, prejudicado o funcionalismo público.

O que houve? Após a posse, o governador que dizia que era favorável aos professores e aos funcionários públicos, mudou de ideia, importando de São Paulo, um empresário para tomar conta da Secretária de Educação do Paraná! Um detalhe: com suas ações,  demostra  odiar os seus subordinados e a classe estudantil do Paraná.

O ódio desse sujeito é tanto que, através de uma resolução, obrigou os alunos paranaenses retornar as aulas presenciais, sem ao menos, tomar a primeira dose da vacina que combate a proliferação do covid-19. Daqui uma semana, a sociedade vai poder avaliar se foi certo ou errado o retorno as aulas.

Como a eleição para a renovação do seu cargo como governador está próxima, o líder do governo, fez um ensaio recentemente, dizendo que os funcionários públicos do Paraná, iria ter um reajuste para coibir as perdas salarias.

Na reta final, contrariando o anunciado pelo seu líder na Assembleia Legislativa, ao enviar a proposta da Lei Orçamentária para 2022, recomposição da salarial dos servidores estavam fora da proposta.

Mais uma vez, o governador trata os seus funcionários a pão e água, no próximo ano, a maioria vai o time da oposição e lutar até o fim, para mudar a cara de um governo que não pensa no bem estar de seus funcionários e muito menos da população.

Exigir que crianças, adolescentes e jovens, voltem as aulas sem ao menos tomar uma dose do imunizante contra o coronavírus, é mais uma maneira de assassinar o futuro de uma sociedade sofredora.

Clique aqui para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo