juliotake

Com foco na conveniência, strip malls despontam como negócio após a pandemia

A busca por conveniência e facilidade no momento de fazer compras, cuidar da saúde, desfrutar de momentos de lazer e bem-estar levou a um aumento do número de Strip Malls, empreendimentos que reúnem tudo isso em espaços abertos e flexíveis.

São Paulo 20/9/2021 – “Outra tendência muito forte nos strip malls são os empreendimentos temáticos, como food halls ou locais destinados apenas a serviços médicos”, diz Marcos Saad.

A busca por conveniência e facilidade no momento de fazer compras, cuidar da saúde, desfrutar de momentos de lazer e bem-estar levou a um aumento do número de Strip Malls, empreendimentos que reúnem tudo isso em espaços abertos e flexíveis.

As demandas do cotidiano têm levado os consumidores, cada vez mais, a valorizarem opções de compras rápidas, integradas, e no caminho de casa. Com o home office e novos hábitos de consumo, os negócios no formato strip mall ganharam ainda mais espaço.

Strip malls são espaços construídos em forma de U ou L, predominantemente em esquinas, com ampla visibilidade e fácil acesso, com instalações simples e lojas de conveniência, serviços e alimentação. Seu foco é no consumo rápido, rotativo e prático.

Para se ter ideia da importância de trazer soluções integradas e que facilitem o dia a dia do consumidor, vale a pena enfatizar o crescimento do número de empreendimentos no formato strip mall nos últimos anos, em todo o Brasil.

Dados do Censo 2020 da Associação Brasileira de Strip Malls (ABMalls), que reúne as empresas do setor, apontam que esses empreendimentos estão concentrados, em sua maioria no Sudeste do país, com 96% das unidades distribuídas em capitais (39%); áreas metropolitanas (23%) e interior (39%).

Em média, 79% dos locais concentram alimentação, produtos e serviços essenciais e conveniência – mix muito desejado quando o assunto é varejo de vizinhança.

Na comparação com os shopping centers, esses empreendimentos são menores, ocupando, em média, de 1 a 3 mil metros quadrados de área bruta locável (ABL). Entretanto, o baixo índice de inadimplência e vacância, de aproximadamente 2%, é um dos atrativos deste modelo de negócio.

“Os strip malls são negócios tão vantajosos para os lojistas e os clientes, que grande parte dos nossos empreendimentos estão totalmente ocupados”, explica Marcos Saad, sócio e fundador da MEC Malls, que faz a concepção e gestão de strip malls.

O Open Mall Panamby, empreendimento localizado no bairro do Panamby, em São Paulo, é um exemplo deste modelo de negócio. Ele oferece serviços e facilidades e prima pelos espaços abertos, arejados e de fácil acesso.

“Um ponto focal deste tipo de negócio é oferecer muitas vagas de estacionamento, supermercado, banco, academia, pet shop, doceria, empório, restaurante e outras facilidades para o consumidor. O objetivo é que o cliente faça tudo em um só lugar”, dentro do conceito “one stop shop”, complementa Saad.

Strip malls têm foco no público que reside na área de influência primária, atendendo principalmente o público no trajeto de deslocamento do trabalho para casa. Eles se posicionam em locais estratégicos e sempre contam com uma ou duas lojas âncoras, que são grandes redes varejistas.

“Outra tendência muito forte nos strip malls são os empreendimentos temáticos, como food halls ou locais destinados apenas a serviços médicos – algo que cresceu muito na pandemia”, explica o executivo da MEC Malls.

Características como paisagismo, áreas abertas, corredores amplos e estacionamento com vagas ao em frente as lojas são imprescindíveis nos strip malls.

Website: http://www.mecmalls.com

Clique aqui para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Most Popular

Topo