Opinião

Massacre dos educadores pelo estado

Professor Rony

Por Sebastião Rosa

A direção da APPSINDICATO está veiculando mensagens nas redes sociais em que afirma estar negociando com o governo as faltas ilegais atribuídas aos professores por falhas tecnológicas. Esse é mais um equívoco grosseiro da direção de nosso sindicato. A questão não é essa.

Essas faltas são imorais, ilegais, absurdas. Com certeza serão abonadas. O problema é o massacre do governo Ratinho Júnior contra os profissionais de educação.

Não é possível continuarmos trabalhando neste ritmo. Não é possível aceitar como normal a transposição do tempo de trabalho presencial para o tempo de trabalho remoto, como se as atividades tivessem a mesma natureza.

Não é possível os professores serem obrigados a realizarem os meets para uma parte dos alunos, produzirem material impresso para outros e, ainda, atenderem uma parcela deles pelo classroom, além, é claro, da infinidade de outras tarefas impostas. Em meio a tragédia social em que vivemos, nossa quantidade de trabalho foi multiplicada por três.

Ninguém tem mais tempo de respirar direito! É impossível ensinar qualquer coisa que seja nessas condições. Ficaremos, inevitavelmente, todos doentes se essa barbárie não for contida.

O papel da direção sindical não é colaborar com o governo pra fazer esse massacre funcionar. É papel da direção sindical organizar os trabalhadores para que, coletivamente, defendam suas condições de trabalho e suas vidas. Se os atuais diretores da APP não sabem o que fazer, renunciem a seus cargos!

* Sebastião Rosa é professor na região metropolitana de Curitiba.

Clique aqui para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo