Anúncie aqui
Internacional

Com aportes chineses, foco do Brasil deve crescer, diz especialista

Bandeira da China hasteada na sede da ONU, em Nova York (Foto: UN Photo/Loey Felipe)

Apesar de polêmicos, os investimentos chineses no Brasil podem impulsionar desenvolvimento – desde que usados de maneira estratégica. A observação é do professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC, Giorgio Romano Schutte.

Em entrevista ao podcast Brasil Latino, o doutor em Sociologia pela USP aponta que os investimentos de Beijing em solo brasileiro são relativamente recentes. Antes o país já se beneficiou com os aportes dos EUA, do Japão e de diversos países europeus.

“O Brasil sempre esteve aberto aos investimentos internacionais”, apontou o pesquisador. “E agora precisa ter a capacidade de aproveitar esses investimentos como um projeto nacional de desenvolvimento tecnológico“.

O movimento espelha o que a própria China fez nos últimos 20 anos, antes de se tornar a atual potência comercial e tecnológica. Conforme Romano, o tamanho do Brasil é um ponto a favor junto da comunidade internacional.

“Há mais de dez anos, o Brasil é o país que mais recebe investimentos no mundo. E, sim, está no mapa de expansão da China”, disse.

Além disso, Beijing já se tornou o maior comprador de produtos brasileiros e exerce forte influência em muitos países latino-americanos com sua desenvolvida diplomacia.

Romano é autor do livro “Oásis para o capital – solo fértil para a ‘corrida de ouro’: A dinâmica dos investimentos produtivos chineses no Brasil”, da editora Appris.

Clique aqui para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os Mais Populares

Anúncie aqui
Topo